Dúvidas

Anestesia tem risco?

Tire suas dúvidas antes da cirurgia.

[pm_accordion_vertical]

1. O que é Dor?


Normalmente, DOR é conseqüência de algum distúrbio em algum órgão ou sistema do nosso organismo, sendo quase sempre possível estabelecer uma correlação entre eles. Múltiplas causas podem dar origem à DOR, como por exemplo, ferimentos, queimaduras, fraturas, inflamações, distensão ou estreitamento de vísceras ocas, ou alteração de função de um órgão, da circulação sangüínea, e tantas outras mais. Muitas pessoas tendem a ignorar alguma dor que sentem, não dando a ela a devida importância. É preciso lembrar sempre que DOR é um aviso do nosso organismo, querendo informar-nos de que algo não está bem. DOR é, por isso mesmo, um importante mecanismo de defesa e de preservação da nossa vida.

2. Dor aguda x Dor crônica


A DOR AGUDA pode e deve ser interpretada como um sinal de alerta. Já a DOR CRÔNICA já não tem mais essa função. Uma dor pode tornar-se crônica pelos mais variados motivos, mas ela certamente não tem mais uma função de alerta ou defesa. A dor crônica merece maior atenção por parte da medicina moderna, pois é a dor crônica que acaba com a qualidade de vida, é ela que limita a movimentação, a agilidade, a atividade e o bem-estar das pessoas.

3. O que é anestesia?


Anestesia é o estado de total ausência de dor e outras sensações durante uma operação, exame diagnóstico ou curativo. Ela pode ser geral, isto é, para o corpo todo; ou parcial, também chamada regional, quando apenas uma região do corpo é anestesiada. Sob o efeito de uma anestesia geral você dorme. Com a anestesia regional você pode ficar dormindo ou acordado, conforme a conveniência, embora uma parte do seu corpo fique anestesiada.

4. Quem são os médicos anestesiologistas?


São médicos que cursam seis anos de Universidade e que se submetem a mais dois ou três anos de especialização em Centros de Ensino e Treinamento (CET). Ao concluir, são submetidos a uma prova nacional de avaliação e, somente após a aprovação são reconhecidos como especialistas pela Sociedade Brasileira Anestesiologia (SBA), Conselho Federal de Medicina (CFM) e Conselho Regional de Medicina, no caso da Bahia, o Cremeb. Após cumprir essas etapas, o médico é considerado apto para desempenhar a função de anestesiologista pondo em prática os conhecimentos adquiridos.

5. Quanto tempo dura uma anestesia?


A anestesia geral ou regional dura o tempo necessário para que seja realizado o exame ou operação, promovendo a abolição da dor por um tempo variável após o procedimento, a depender do anestésico empregado. Atualmente a Anestesiologia dispõe de conhecimentos para abolir toda a sua dor nos pós-operatórios.

6. Qual o risco de uma anestesia?


Os riscos existem, mas atualmente são muito raros os acidentes ou complicações de uma anestesia. Com a utilização de medicamentos, instrumental e técnicas modernas, o anestesiologista reduz ao máximo os riscos de acidentes anestésicos, mas e claro que eles nunca chegam a zero. Fatores algumas vezes imponderáveis ligados não só à anestesia, mas com a própria operação e às condições hospitalares além de outras podem interferir no sucesso ou no resultado de uma anestesia, mas o anestesiologista, além do conhecimento e da especialização, emprega toda sua perícia e experiência clínica para obter o sucesso completo da operação a que você está se submetendo. Para maior segurança dos pacientes, os hospitais modernos contam com equipes e equipamentos próprios para emergências e cuidados críticos, o que reduz mais ainda os riscos de acidentes graves incontornáveis.

7. Quais os tipos de anestésicos mais usados?


Existem diversos tipos de anestésicos gerais e locais. Os locais são depositados perto dos nervos, enquanto anestésicos gerais são administrados pela veia ou através da respiração. Todos proporcionam anestesias adequadas. A escolha do anestésico varia de acordo com o tempo e o tipo de operação e com as condições físicas e emocionais do paciente. Depois de conhecê-lo, avaliar seus exames pré-operatórios, saber a cirurgia proposta, o anestesiologista indicará a melhor opção.

8. Por que o medo da anestesia?


Todas as pessoas têm medo do desconhecido. É como viajar de avião. Quem nunca fez, morre de medo. Outros, mesmo viajando sempre, também se preocupam. Mas milhares de vôos são realizados no mundo todo, na mais absoluta segurança. Os poucos acidentes que acontecem são matéria para imprensa divulgar com estardalhaço. Isso ajuda as pessoas a ter mais medo. A mesma coisa acontece na anestesia: há medo do desconhecido e muitas divulgações alarmistas de raros acidentes.
Como nas viagens de avião, diariamente anestesiologistas qualificados aplicam milhares de anestesias, em todo mundo, com toda segurança. E é por isso que você deve exigir que somente um anestesiologista qualificado lhe examine antes da operação, lhe oriente e faça a sua anestesia. Assim você pode evitar ou diminuir o medo da anestesia. Assim você pode evitar ou diminuir o medo da anestesia. Ouvir explicações sinceras e seguras reduz muito as ansiedades.

9. Quem pode esclarecer você sobre a anestesia?


Seu médico já deve ter conversado sobre a anestesia com você. Porém, somente na consulta com o médico anestesiologista é que todos os esclarecimentos serão feitos. Não aceite qualquer informação de pessoas não especializadas. Existem muitas fantasias e desinformações sobre a anestesia.

10. Quem escolhe o anestesista?


Os hospitais possuem Serviços de Anestesia com os quais os seus cirurgiões já estão acostumados a trabalhar. Afinal, cirurgia é um trabalho de equipe, o que significa maior segurança para o êxito cirúrgico.

11. O que acontece antes da operação?


Primeiro, o anestesiologista o examinará, prestará informações e orientará sobre a anestesia. Alguns exames de laboratório e de Raio X poderão ser necessários. Os preparativos da enfermagem a pedido dos médicos podem incluir raspagem dos pelos na região da operação, algum remédio e muita atenção. Na noite anterior e cerca de uma hora antes da operação, dependendo do dia e horário de sua internação, é provável que você receba algum comprimido ou uma injeção de sedativo, para tornar mais confortável para você o transporte e a chegada ao Centro Cirúrgico.

12. Como você pode colaborar para a sua própria segurança?


Não coma nem beba qualquer coisa, pelo menos oito horas antes da operação, nem mesmo água. É para ficar em jejum mesmo! Conte ao anestesiologista os nomes de todos os remédios que você toma ou tomou regularmente. Em especial, enumere aquele aos quais você tem ALERGIA. Serão removidas de sua boca quaisquer peças dentárias móveis como dentaduras, pivôs, pontes, especialmente as de menor tamanho. Não use cosméticos ou produtos de beleza no dia da operação. Não leve para o hospital, nem mesmo para a sala de operação, jóias pessoais como anéis, pulseiras, relógios de pulso, brincos, como também alfinetes, grampos de cabelo, perucas, cílios postiços e outros objetos desnecessários.
Não mastigue gomas de mascar antes da cirurgia, porque isso provoca o aumento de sucos no estômago, o que pode causar vômito depois da operação. Para quem é fumante, uma recomendação especial: o ideal é parar de fumar pelo menos 15 dias antes da operação. Não sendo possível isso, o número de cigarros fumados deve ser reduzido ao máximo: um a cada 4 ou 5 horas. Siga, de forma obediente, as orientações dos seus médicos.

13. Como você vai se sentir após a anestesia?


O que você vai sentir após a anestesia depende muito da operação, do tipo da anestesia, de suas condições físicas, dos remédios que você está tomando ou tomou, enfim de múltiplos fatores. Graças às técnicas modernas, apenas um número muito pequeno de pacientes chega a sentir-se mal. O que deverá ser ressaltado é que você provavelmente, não sentirá nada nem se lembrará de nada. O anestesiologista zelará para que, dentro do possível, seu melhor conforto seja assegurado.

14. O que é a sala de recuperação?


Quando termina a cirurgia, o anestesiologista suspende os anestésicos e inicia-se o processo de recuperação. Isto pode demorar alguns minutos ou algumas horas dependendo da duração e do tipo da anestesia aplicada. Durante este tempo você estará sob os cuidados de pessoal qualificado para evitar complicações e surpresas. Você ficará na Sala de Recuperação Pós-Anestésica, dentro do bloco cirúrgico, até estar completamente desperto e recuperado. Só aí é que o anestesiologista dará a autorização para que você seja levado de volta ao seu quarto. Nos casos de grandes operações, que causam grande sofrimento, você poderá ser levado para uma sala de cuidados mais atentos, para que não haja sofrimento ou risco. Se isso tiver que acontecer, o anestesiologista lhe explicará antes.

15. Quanto custa uma anestesia?


Depende bastante da operação, do tempo de trabalho e da complexidade. Mas, se você é paciente particular, tudo será discutido com antecedência, sem surpresas. Se você possui algum convênio, também deve discutir o valor e a forma de pagamento diretamente com o médico anestesiologista ou com o serviço de anestesia ao qual ele pertence para que posteriormente você possa solicitar o reembolso por parte do seu convênio.


[/pm_accordion_vertical]

Deixe uma resposta